Homem que matou a ex-mulher em Muzambinho se entrega a Polícia

23.10.2014

Delegado da Polícia Civil de Muzambinho, Adnan Cassiano Grava, concedeu entrevista coletiva e apresentou a versão de Adriano Bueno Montanari.

O homem que matou a ex-mulher com três golpes de faca na madrugada do último domingo, (19), se apresentou junto de seu advogado, à Polícia Civil de Muzambinho (MG) na manhã desta quarta-feira (22) e prestou depoimento ao delegado, Doutor Adnan Cassiano Grava. 

 

Após o depoimento, o delegado Adnan concedeu uma entrevista coletiva ao portal de notícias GMinas, da cidade Guaxupé (MG), para apresentar a versão de Adriano Bueno Montanari, de 36 anos. 

 

Adriano Bueno Montanari acusado de matar a ex-mulher se apresenta a polícia. Foto: Gminas

 

De acordo com o policial, o crime aconteceu às 4h50 na manhã do domingo (19), o ex-marido foi até a casa de Diana Vieira Montanari, de 36 anos, após várias ligações para a ex-mulher e para os filhos, mas sem ser atendido. Adriano que possuía as cópias das chaves da casa e evadiu o local armado com uma faca. Segundo Adriano, ela estava no quarto ao telefone, falando, supostamente, com o namorado. Assim, ela mencionou ao ex-marido que estava falando com o seu “macho”. Depois disso, conta o delegado, que Adriano perdeu a cabeça e realizou o crime. 

 

Segundo o depoimento de Adriano, ele foi armado, após ter recebido ameaças do namorado de Diana, onde acreditou que ele estava com ela naquele momento. 

 

Diana Vieira Montanari morta com três facadas pelo ex-marido. Foto: Reprodução Internet

 

Adnan disse que Adriano estava bem abatido, arrependido e durante o interrogatório chorou várias vezes, e confessou o crime, mas não ficou detido. 

 

“Nós estamos no período eleitoral, todos sabem que domingo (26), tem o segundo turno da eleição presidencial, o artigo 236 do Código Eleitoral nos veda efetuar qualquer tipo de prisão cautelar que não em flagrante, ou seja, cinco dias antes da eleição e 48 horas após a eleição, nós não podemos cumprir nenhuma espécie de prisão preventiva, prisão temporária e alimentícia. Só é preso quem comete crime em flagrante delito ou é condenado em sentença condenatória por crime inafiançável, só nestas duas hipóteses pode acontecer à prisão. No caso dele (Adriano), em específico, já saiu do flagrante, não podemos realizar a prisão”, completou o delegado.  

 

A reconstituição do crime acontecerá na próxima semana com a participação dos filhos, ele será indiciado por homicídio qualificado. 

 

Compartilhar

Fonte - Redação Atividade FM / Gminas Autor - Evandro Moreira

Solicitar Musica

UF

MG

  • AC

  • AL

  • AP

  • AM

  • BA

  • CE

  • DF

  • ES

  • GO

  • MA

  • MT

  • MS

  • MG

  • PA

  • PB

  • PR

  • PE

  • PI

  • RJ

  • RN

  • RS

  • RO

  • RR

  • SC

  • SP

  • SE

  • TO